SBB

Escola Bíblica Dominical - 4º Trimestre 2017 - Lição Nr 09

Canal Luisa Criativa

= Assista, curta, comente, inscreva-se e compartilhe. Atualização semanal todos os domingos às 16:00 horas.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Adão e Eva povoaram realmente a Terra?

Adão e Eva poderiam realmente ter `povoado a Terra´, conforme pesquisador
É possível, mas não é fácil´, ressaltou o professor de genética da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Waldir Stefano, destacando que um obstáculo a ser vencido seria a pouca variabilidade genética

Adão e Eva poderiam realmente ter `povoado a Terra´, conforme pesquisador
O povoamente da Terra a partir de apenas um casal - como aponta no livro de Gênesis sobre Adão e Eva - é uma questão que ainda gera discussões, não apenas entre ateus e religiosos, mas até mesmo entre teólogos. Segundo o pesquisador de genética de populações da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Waldir Stefano, a teoria é possível, porém em determinadas condições.
"É possível, mas não é fácil", ressaltou o estudioso, destacando que um obstáculo a ser vencido seria a pouca variabilidade genética.
Segundo um estudo feito com crianças nascidas entre entre 1933 e 1970, na Tchecoslováquia, quase 40% daquelas cujos pais eram parentes de primeiro grau apresentavam deficiências graves. 14% delas morreram por conta desses problemas congênitos.
Stefano destacou que com o passar do tempo, essa variabilidade pode realmente aumentar, mas esta questão pode ser influenciada pelo processo de seleção natural.
O pesquisador lembrou que ao longo dos anos, podem ocorrer mutações no DNA dos descendentes e, se tais mutações forem vantajosas para a sobrevivência, isso aumentaria a chance da terra ser povoada conforme o relato bíblico.
Mutações desvantajosas
Entre as mutações que podem prejudicar esse processo, podem ser encontrados exemplos de famílias reais europeias, nas quais certas mutações chegaram a deixar alguns dos descendentes estéreis.
O pesquisador citou o livro "As Sete Filhas de Eva", de Bryan Sykes, professor de genética da Universidade de Oxford.
"A obra mostra o estudo do DNA mitocondrial, que é herdado da mãe. Os pesquisadores chegam a sete grandes matrizes de ascendentes na Rússia", diz. "Antes dessas sete, provavelmente havia menos ainda".
Stefano explicou que, como o óvulo é muito maior que espermatozoide, quando o zigoto é formado, as mitocôndrias (responsáveis por gerar a energia das células) são iguais às da mãe.
O pesquisador lembrou que há doenças transmitidas geneticamente pelas mitocôndrias, como a doença de Leber, que provoca cegueira entre os 40 e 50 anos. Porém Stefano aponta que a consanguinidade teria sido um obstáculo vencido por outras civilizações.
"Existem exemplos de colonização com pequenas populações iniciais, como a do Havaí, em que havia muita consanguinidade e foi bem-sucedida", disse.
Período necessário
Na maioria das vezes, as variações do material genético não chegam a ter grandes efeitos no fenótipo (resultados visíveis, como s cor dos olhos, cabelos e pele). Mas se trouxerem contribuições positivas para a preservação da espécie, conseguirão avançar.
"A grande questão é: em qual período de tempo isso poderia acontecer?", lembrou o estudioso, referindo-se ao tempo necessário que os descendentes de um único levariam para gerar uma população de 7 bilhões de pessoas.
No ano de 2002, John Moore - antropólogo norte-americano - publicou um estudo pela Nasa, no qual estima não seria possível povoar a Terra com uma população estável com menos de 160 pessoas como ponto de partida. O estudo parte da premissa de que a população mundial teria sido formada por pequenos grupos migratórios nos tempos pré-históricos.
Esse número usado por Moore como um "ponto de partida" para o cálculo que dá base à sua teoria, vale por exemplo para uma viagem ao espaço, que permitiria 200 anos de isolamento antes da voltar à Terra, quando as pessoas teriam contato novamente com uma maior variabilidade genética.
Stefano destacou que o próprio Charles Darwin, em seu livro 'A Origem das Espécies', chegou a 'brincar' com uma conta que poderia comprovar a teoria baseada no livro de Gênesis sobre o povoamento da Terra a partir de Adão e Eva.
Segundo o exemplo de Darwin, se um casal de elefantes conseguisse viver tranquilamente, sem que nenhum fato externo causasse a sua morte, quantos descendentes eles teriam em, por exemplo, 700 milhões de anos? O raciocínio também propõe que tais descendentes tivessem uma vida que corresponde às expectativas de sobrevivência dessa espécie, ou seja, 100 anos. Trata-se de uma conta bem hipotética.
Considerando que a gestação de um elefante dura dois anos e a expectativa de vida desses animais é de cem anos, assim, Darwin calculou que neste período, haveria 19 mil descendentes daquele casal no período dentro de um século.


Minizinha

Vote Projetos

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário - Professor Julio Cesar Martins

Perfumaria e Cosméticos

Perfumaria e Cosméticos
Compre os seus produtos de beleza on-line.

Classificação da Perseguição Religiosa 2017!

Classificação da Perseguição Religiosa 2017!
Classificação dos 50 Países com Perseguição Religiosa, onde seguir à Jesus pode custar a vida. Atualizado em 2017.

Noticias Gospel Mais...

Parceria

O Evangelho de Jesus Cristo, alçando o Mundo!

My Instram