SBB

Escola Bíblica Dominical - 4º Trimestre 2017 - Lição Nr 09

Canal Luisa Criativa

= Assista, curta, comente, inscreva-se e compartilhe. Atualização semanal todos os domingos às 16:00 horas.

terça-feira, 9 de julho de 2013

PNEUMATOLOGIA

PNEUMATOLOGIA





I. INTRODUÇÃO

Pneumatologia é a consideração das Escrituras concernente ao Espírito Santo. Muito erro e confusão existe em nossos dias no tocante à personalidade, às operações e às manifestações do Espírito Santo. Eruditos conscientes, mas equivocados, têm sustentado pontos de vista errôneos a respeito desta doutrina. Inclusive Hebert Lockyer diz: “O erro de tratar o Espírito Santo de uma maneira impessoal pode ser reconstituído até o terceiro século quando a teoria foi estabelecida que o Espírito Santo era uma mera influência, uma aplicação de energia divina e poder, uma emanação de Deus”. O Espírito Santo não é uma força impessoal. Este ponto é especialmente importante agora por causa das tendências panteístas que estão nos influenciando através das religiões orientais.

No N.T., o Espírito Santo é mencionado quase 300 vezes, e muita proeminência é dada à Sua Pessoa e trabalho. O p´roprio entendimento do Espírito Santo é básico, inclusive a muitas doutrinas – inspiração da Bíblia, muitos aspectos importantes da salvação, e muitos facetas da vida cristã. É vital para a fé de todo crente cristão, que o ensino bíblico a respeito do Espírito Santo seja visto em sua verdadeira luz e mantido em suas corretas proporções.

II. O ESPÍRITO SANTO É UMA PESSOA

1. Gramaticalmente.

A gramática no grego, nos mostra que “o Espírito Santo é uma pessoa”. Uma evidência da personalidade do Espírito Santo é o uso do pronome masculino ao representá-lo. A palavra grega para espírito é pneuma que é substantivo do gênero neutro. A própria gramática nos ensina que quando um pronome é substantivo por um substantivo, o pronome deve ser do mesmo gênero (pessoa e número) como o substantivo.

Mas no N.T. grego, isto nem sempre é o caso quando pronomes são substituídos pela palavra Espírito. João 16.13-14 diz: “Quando (ele) (ekeinos) vier, porém, o Espírito (pneuma) da verdade, ele (incluído no verbo) vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido e vos anunciará as coisas que hão de vir. Ele (ekeinos) me glorificará, porque há de receber do que é meu e vô-lo há de anunciar”.

Nestes dois versículos o pronome “ele” (subentendido em português) no verso 13 “quando (ele vier” e no verso 14 “Ele me glorificará” é masculino, onde esperaríamos um pronome neutro - (ver também Ef 1.13b, 14): “…fostes selados com o Santo Espírito da promessa. O qual é o penhor da nossa herança…”, onde a palavra traduzida “o qual é atualmente o pronome masculino no grego.

Estes dois exemplos de má gramática são excelente teologia, pois mostra que o Espírito Santo não é uma coisa neutra, mas uma pessoa definida. Também em João 15.26: “… o Espírito da verdade, que dele procede, esse (ekeinos)…”. O uso do pronome masculinos em vez de neutro, mostra que o Espírito é uma pessoa.

Há ainda um testemunho que precisa ser mencionado: é o uso do substantivo masculino (parakletos) empregados por Cristo ao referir-se ao Espírito Santo (Jo 14.16-17). O próprio Cristo era Consolador dos discípulos (1ª Jo 2.1) e consolou-os diante da iminência de deixá-los, prometendo-lhes outro Consolador (parakletos).

Esta palavra “outro” (Jo 14.16 é alllos que expressa uma diferença numérica) e denota outro da mesma espécie ou tipo. Aqui, então, Jesus ia enviar um outro como Ele mesmo. Tudo o que Jesus era para Seus discípulos, o outro Consolador havia de ser, e ainda mais (devido às limitações humanas de Jesus) – uma pessoa que viria substituir outra pessoa. Noutras palavra, o Espírito Santo dá prosseguimento ao que Cristo fez aqui na terra.

Consolador. Jesus chama o Espírito Santo de “Consolador”. Trata-se da tradução da palavra grega parakletos, que significa literalmente “alguém chamado para ficar ao lado de outro para ajudar”. É um termo rico de sentido, significando Consolador, Fortalecedor, Conselheiro, Socorro, Advogado, Aliado e Amigo.

Ele possui as características de uma pessoa: “inteligência, emoção e vontade ou volição”.

Quando falamos em “pessoa” normalmente pensamos em seres humanos. Um ser humano possui inteligência, emoção e vontade que distingue dos irracionais. Porém estas características fazem parte do homem interior, do ser imaterial. Por isso, é que usamos esta expressão ao Espírito Santo.

Em conexão com Cristo (Jo 16.14; 17.4). O Espírito Santo glorifica outro membro da Trindade, a saber, Cristo e Cristo ao Pai. Em Jo 16.14, o Espírito Santo está relacionado ao Senhor de tal maneira que podemos concluir que ambos são pessoas.

2. O Espírito Santo tem percepção intelectual ou capacidade de pensar.

“Mas Deus no-lo revelou pelo Espírito; porque o Espírito a todas as coisas perscruta, até mesmo as profundezas de Deus. Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o seu próprio espírito, que nele está? Assim, também as coisas de Deus, ninguém as conhece, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, e sim o Espírito que vem de Deus, para que conheçamos o que por Deus nos foi dado gratuitamente. Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais” (1ª Co 2.1-13- outras ref. Rm 8.27; NE 9.20; Jo 14.26; Is 11.2; Jo 15.26; 16.12-14).

Então, o Espírito Santo não é mero poder ou influência, e sim uma Pessoa dotada de intelecto que conhece as profundezas de Deus e no-las revela.

3. O Espírito Santo tem reação emocional ou a capacidade de sentir:

“E não entristeçais o Espírito de Deus, no qual fostes selados para o dia da redenção” (Ef 4.30 – outras ref. Is 63.10; Rm 8.26; Rm 15.30).

Ninguém pode entristecer a lei da gravidade ou fazer que o vento oriental se lamente. Portanto, a não ser que o Espírito Santo seja uma pessoa, a exortação de Paulo em Efésios 4.30, seria sem significado e supérflua.

4. O Espírito Santo tem determinação volitiva ou capacidade de escolher.

“Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente” (1ª Co 12.11 – Is 63.10; Is 59.19; At 13.2-4; 16.6-7; 15.28). Aquele que é impessoal não possui volição.

“Ou supondes que em vão afirma a Escritura: É com ciúme que por nós anseia o Espírito, que ele fez habitar em nós?” (Tg 4.5).

III. A EXISTÊNCIA DO ESPÍRITO SANTO

“Muito mais o sangue de Cristo, que, pelo Espírito eterno, a si mesmo se ofereceu sem mácula a Deus, purificará a nossa consciência de obras mortas, para servirmos ao Deus vivo!” (Hb 9.14).

Se o Espírito Santo existe como Ser divino, Ele não é uma parte deste, mas é o próprio Deus Espírito (Jo 4.24). Ele tem existência própria, mas isto não significa que esteja separado da divindade. As pessoas da Trindade são distintas em suas manifestações, mas pertencem à mesma essência indivisível e eterna. O Espírito Santo não se originou em nada e em ninguém, pois tem origem em si mesmo. Ele é a expressão da unicidade de Deus. Nós e os anjos fomos criados e, por isso, dependemos do Criador. Mas o Espírito Santo não depende e nem precisa de alguém, embora queira e possa livremente relacionar-se com sua criação. Jesus declarou que o Pai tem vida em si mesmo (Jo 5.26). Se o Pai pertence á mesma essência divina do Filho, o Espírito Santo também possui existência própria e total independência de todas as coisas.

IV. OS ATRIBUTOS DO ESPÍRITO SANTO

Quando nos referimos ao termo “atributo”, falamos de algo que também pertence ao Espírito Santo. De fato, são propriedades qualitativas, jamais adquiridas ou acrescentadas, mas pertencentes a Ele eternamente. Um atributo é uma qualidade ou característica inerente em um ser. Destacaremos apenas dois atributos.

1. A imutabilidade.

Ela é própria do Espírito Santo. Significa que Ele está livre de toda a mudança (Ml 3.6). Tudo o que se diz a respeito dele, como Deus Espírito, é perfeito e imutável. Este atributo não é exclusivo de uma pessoa da Trindade, mas pertence às três (Rm 1.23; Hb 1.11).

2. Eternidade (Hb 9.14).

Ela é um atributo intrínseco na divindade. Por isso, o autor da carta aos Hebreus identifica o Espírito Santo como “o Espírito Eterno”. Ele transcende a todas as limitações temporais. Dois outros termos ligados à eternidade ilustram e aclamam ainda mais este atributo. O Espírito Santo é infinito e imenso. Por infinidade, entende-se que sua existência não tem fim. Nada confina o Espírito Santo no espaço, nem o retém no tempo. Por imensidade, compreende-se que o Espírito é total, pleno e completo. Ele na se divide, mas pode estar presente em toda parte com todo o seu Ser (Sl 139.7-12).

3. Ele é Santo (Ef 4.30-31; Rm 1.4).

Embora o homem possa possuir uma santidade relativa, santidade absoluta pertence a Deus; e sendo que esta santidade é atribuída ao Espírito Santo no Seu próprio nome, é um indício de sua deidade (Ef 1.3).

V. O ESPÍRITO SANTO NA CRIAÇÃO

Muito tempo antes que fosse criado o homem, e mesmo antes que houvesse mundo, o Espírito Santo existia. Em Gn 1.2 descreve-se a terra como uma massa informe, vazia e envolta em trevas. Um raio de esperança penetrava na escuridão: “O Espírito de Deus se movia sobre a face das águas”. Todos os 3 membros da Trindade tomaram parte na criação. O Pai exerceu volição e planejou a obra da criação; o Filho por Sua vez, executou esse plano. O Espírito Santo também contribuiu com a Sua cooperação que é especialmente a de conceder vida. Assim foi na criação e assim foi na ressurreição de Jesus; assim também é quando alguém nasce de novo. É o Espírito Santo quem provê a vida espiritual, seja para uma pessoa, seja para a Igreja.

O Espírito Santo é o provedor e sustentáculo da natureza, obra sobre a qual o livro de Jó tem muito que informar, por exemplo, em Jó 26.13, lemos: “E Pelo Seu Espírito ornou os céus”. A palavra “ornar” significa decorar ou adornar. Com que estão adornados os céus? Noite resplandece com o brilho dos corpos celestes. Os astrônomos estudam as mudanças de cor das estrelas. Quem não aprecia a beleza da aurora e do sol poente? O Cristão, muito especialmente, fica encantado com essas maravilhas porque também conhece o Artista cuja mão pinta tão lindas cenas. O salmista disse no Salmo 33.6: “Pela Palavra do Senhor foram os céus e todo o exército deles pelo Espírito de Sua boca”. O “Espírito de Sua boca” é o Espírito Santo que ajudou na criação dessas maravilhas encontradas no Universo. (Outras Ref. Jó 33.4 e Salmos 29.1).

VI. O ESPÍRITO SANTO NO NOVO TESTAMENTO

Embora tenha sido muito poderoso o ministério do Espírito durante o Velho Testamento, encontramos no Novo Testamento que Seu ministério será ainda mais amplo, considerando a Sua manifestação na vida e no ministério de Jesus Cristo e na Igreja por Ele estabelecida. Durante 400 anos aproximadamente, antes do nascimento de Jesus, o Espírito Santo não falou aos homens. Nenhuma voz profética havia proclamado a mensagem de Deus ao seu povo. Então, de repente, inaugura-se um período de atividade espiritual incomum; um velho sacerdote e sua esposa, Zacarias e Isabel, ouviram um mensageiro celeste dizer -lhe que, contrariando a natureza, eles teriam um filho. Essa profecia cumpriu-se com o nascimento de João Batista, que era “cheio do Espírito Santo, já desde o ventre de sua mãe” (Lc 1.15). O próprio pai, Zacarias, também foi cheio do Espírito Santo em razão do que proferiu a maravilhosa profecia concernente ao menino, registrada em Lc 1.67-79.

“Zacarias, seu pai, cheio do Espírito Santo, profetizou, dizendo:...” (Lc 1.67).

“E a vontade de quem me enviou é esta: que nenhum eu perca de todos os que me deu; pelo contrário, eu o ressuscitarei no último dia” (Jo 6.39). Trata-se de uma referência à glória de Cristo na cruz (ver 12.23-24). O Espírito não pode ser concedido na sua plenitude, enquanto o caso do pecado não for resolvido. O termo “Espírito”, aqui, diz respeiro à totalidade da obra do Espírito Santo no crente, tanto a regeneração (20.22) como no batismo no Espírito (At 2.4).

VII.O ESPÍRITO SANTO OPERANDO EM CRISTO

1. O Nascimento Virginal - Lucas 1.26-45.

Um anjo apareceu a uma virgem por nome Maria, em Nazaré, anunciando-lhe que pelo Espírito Santo conceberia e daria à luz um filho. O Salvador do mundo. O anjo também apareceu a José, com quem ela era desposada, assegurando-lhe que a gravidez seria resultante da agência do Espírito Santo.

2. Apresentação no Templo - Lucas 2.31-36.

Após o nascimento de Jesus, em Sua apresentação no templo, outra vez o Espírito manifestou-se de modo especial. A Simeão Ele revelou a verdadeira identidade desse menino, dizendo-lhe que era o Messias Prometido. Simeão, um homem sobre quem o Espírito Santo estava, veio pelo mesmo Espírito ao templo, no momento oportuno, e por Ele falou concernente a Jesus, a quem tomou nos braços.

“Revelara-lhe o Espírito Santo que não passaria pela morte antes de ver o Cristo do Senhor. Movido pelo Espírito, foi ao templo; e, quando os pais trouxeram o menino Jesus para fazerem com ele o que a Lei ordenava, Simeão o tomou nos braços e louvou a Deus, dizendo: Agora, Senhor, podes despedir em paz o teu servo, segundo a tua palavra; porque os meus olhos já viram a tua salvação, 31 a qual preparaste diante de todos os povos: luz para revelação aos gentios, e para glória do teu povo de Israel” (Lc 1.26-32).

3. Jesus, o Servo de Jeová - Filipenses 2.5-8.

Após um período de aparentemente menor atividade, o Espírito Santo tomou a manifestar-se de um modo especial na vida de Jesus. Melhor entenderemos essa atividade, se compreendermos como Jesus esvaziou-se de Sua glória, experiência está mencionada em Fp 2.7, onde está dito que Cristo era co-igual com Deus, sim, era o verdadeiro Deus; fazia parte da Deidade. Embora gozando dessa posição elevadíssima, Ele voluntariamente renunciou-a, tomando-se homem, a fim de sofrer a morte. Ele despojou-se da glória que tinha junto com o Pai, antes que o mundo existisse, Jo 17.5. Vindo ao mundo em corpo humano, Ele voluntariamente tomou sobre Si a forma de servo.

Através do ministério do Espírito Santo, Ele tornou-se dependente de Deus. Limitou-se a operar obras sobrenaturais pelo poder do Espírito Santo, no qual confiou.

Esta verdade deverá encorajar os crentes de hoje, pois eles também poderão receber o mesmo poder que operou em Cristo o do Espírito Santo.

4. O início do ministério - Mateus 3.13-17.

Quando Jesus foi batizado por João no Rio Jordão, o Espírito Santo “desceu sobre Ele, assinalando o início do Seu Ministério. Que cena aquela! Ao imergir Jesus, o Filho de Deus, o João Batista viu o sinal que Deus lhe indicara”. Sobre aquele que vires descer o Espírito Santo e sobre Ele repousar (Jo 1.35). Assim, quando os céus se abriram e o Espírito Santo desceu em forma de pomba, João percebeu que contemplava o próprio Cristo.

5. O ministério público.

O Espírito Santo operou de uma maneira especial no ministério do Filho de Deus. Primeiramente, o Espírito conduziu-o ao deserto para ser tentado ou provado pelo Diabo.

Mt 4.1-10. Marcos descrevendo o mesmo incidente, emprega um termo mais forte: impeliu-o. Quem pensaria que o Espírito Santo “impeliria” Jesus a ser tentado? Vamos lembrar que o Espírito não levou Jesus ao deserto, para então abandoná-lo aos ataques de Satanás. Em verdade foi pelo Espírito que Jesus ganhou a vitória sobre toda a tentação, usando Ele a espada do Espírito, a Palavra de Deus (Hb 4.12).

Ungiu Seu ministério público (At 10.38). A seguir teve início Seu Ministério de 3 anos e meio, tão repleto do poder de Deus, no qual enfrentou e venceu todos os inimigos da humanidade. Os Demônios fugiram ante a Sua presença; a lepra desapareceu ao toque de Sua mão; as vistas que nunca enxergaram, viram; abriram-se os ouvidos aos surdos; tal ministério não tinha precedentes na história humana.

A própria natureza obedeceu à Sua ordem “aquietai-vos”, acalmando a fúria da tempestade. As águas do mar solidificaram-se sob seus pés. Ele multiplicou pães e os peixes de modo a alimentar milhares.

A própria morte perdeu seu poder ante a Palavra de Cristo, dizendo à filha de Jairo: “Talita cumi”, ou ao filho único da viúva, “moça, eu te digo” ou “Lázaro, para fora!”; a Sua voz se fez ouvida nas regiões dos mortos, ordenando-lhes o retorno da vida. A pregação de Jesus era diferente da de qualquer outro homem. “Nunca homem algum falou como este homem”, disseram aqueles que O ouviram. Não era somente o conteúdo de Sua mensagem, como também a maneira de expressar, que causava admiração. Havia força e tremenda autoridade do Seu falar que transformava a vida de Seus ouvintes. Sim, esse maravilhoso ministério de Cristo era o resultado do poder do Espírito Santo, a Terceira Pessoa da Trindade, que nele operava. Cristo exerceu Seu ministério, não como divino apenas, mas sim como um homem perfeito, ungido pelo Espírito Santo.

A começar no dia de Pentecostes, o Espírito Santo tem estado em atividade incomum, muito especialmente desde o início do século XX, quando surgiu o moderno movimento pentecostal. Entendemos que este derramamento do Espírito representa um dos importantes sinais do regresso de Jesus a este mundo.

A proeminência que o Espírito Santo em Sua obra ocupa, nestes dias, torna imperativo que os crentes sejam bem informados acerca da Terceira Pessoa da Trindade. A pessoa que se aprofunda, biblicamente, neste assunto desfrutará de ricas experiências espirituais, pois é através do Espírito que Cristo se revela ao mundo.

É pelo Espírito que Cristo opera com poder na Sua Igreja.

Precisamos de Sua plenitude. Os tempos que atravessamos são tempestuosos e Satanás, sabendo que seu tempo é curto, opera vigorosamente contra Deus e contra a Sua causa.

Somente pelo poder do Espírito Santo poderemos vencer essas forças diabólicas assestadas contra nós.

Enquanto estudamos acerca da natureza e do ministério do Espírito Santo, não nos contentemos com apenas um conhecimento superficial do assunto, mas imploremos ao Senhor, a plenitude dessa bênção e do poder que o Espírito Santo veio ao mundo suprir.

6. Na ressurreição de Jesus.

“Se, porém, Cristo está em vós, o corpo, na verdade, está morto por causa do pecado, mas o espírito é vida, por causa da justiça. Se habita em vós o Espírito daquele que ressuscitou a Jesus dentre os mortos, esse mesmo que ressuscitou a Cristo Jesus dentre os mortos vivificará também o vosso corpo mortal, por meio do seu Espírito, que em vós habita” (Rm 8.9-11).

Como se pode ver, Paulo alude sem menor constrangimento às três pessoas da Trindade: o Pai que ressuscita, o Filho ressuscitado e o Espírito da ressurreição. E tem mais: a ressurreição de Cristo é o penhor e o padrão da nossa ressurreição. O mesmo Espírito que o ressuscitou haverá de nos ressuscitar. O mesmo Espírito que dá vida ao nosso espírito (v.10).

VIII. O ESPÍRITO SANTO NA IGREJA

Tendo se realizada a ascensão de Cristo à destra do Pai, o Espírito veio ocupar um lugar ainda mais proeminente entre os homens.

Cristo prometeu aos Seus discípulos que receberiam poder lá do alto, afim de que cumprissem a Grande Comissão que lhes ordenara (At 1.8). O Senhor identificou essa experiência dizendo-lhes que dentro de poucos dias seriam batizados com o Espírito Santo (At 1.5).

1. Pentecostes.

No Cenáculo, os 120 seguidores de Cristo esperavam a vinda do Espírito Santo, a qual verificou-se no dia de Pentecostes. Esse evento Poderoso, incluindo Línguas como que de fogo, experiência que encheu os corações desses irmãos, possibilitando-lhes falar línguas por eles desconhecidas, mediante poder sobrenatural.

2. Os Atos do Espírito Santo.

O livro de atos bem poderia ser chamado “Os Atos do Espírito Santo”. Qual era o poder que transformou os homens? Qual a razão de tantos milagres operados na Igreja do primeiro século? Como se explica a divulgação tão rápida do evangelho nesse tempo, iniciando um movimento que perdura em nossos dias? Essa foi à obra do Espírito Santo.

Espírito Santo pode ser definido como um fluido que emana de Deus Jeová, porém não se trata de uma pessoa coexistente com Ele, como ensinam as religiões organizadas”.

Em At 5.3,4 diz: “Mentiste ao Espírito Santo... mentiste a Deus”.

No Sl 139.7.12, vemos o Espírito Santo como onipresente; a onipresença é um atributo de Deus.

Em At 10.19,20, o Espírito Santo fala com uma pessoa e chama a Si mesmo “Eu”.

Sl 143.10 O Espírito Santo guiando-nos. Somente uma pessoa pode guiar outra. Uma influência ou poder não pode.

3. Na adoração.

Como precisamos que o Espírito Santo inflame nossa adoração! Como nosso espírito precisa ser estimulado pelo Espírito Santo para que a nossa adoração seja verdadeira. A Palavra de Deus nos diz: “Por isso, vos faço compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus afirma: Anátema, Jesus! Por outro lado, ninguém pode dizer: Senhor Jesus senão pelo Espírito Santo” (1ª Co 12.3).

Se não podemos dizer que Jesus é o Senhor sem Ele, como podemos adorar em espírito sem o poder do Espírito Santo? Deve haver uma revelação do Espírito Santo em nosso espírito, permitindo-nos adorar a Deus, que é Espírito, em espírito.

“O próprio Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus” (Rm 8.16).

O Espírito Santo nos transmite confiança de que, por Cristo e em Cristo, agora somos filhos de Deus (Jo 1.12). Ele torna real a verdade de que Cristo nos amou ainda nos ama e vive por nós no céu, como nosso mediador (Hb 7.25). O Espírito Santo nos revela que o Pai nos ama como seus filhos por adoção, não menos do que Ele ama Seu Filho Unigênito (Jo 14.21-23; 17.23). Finalmente, o Espírito cria em nós o amor e a confiança que nos capacita a lhe clamar “Aba, Pai” (Rm 8.15).

IX. OS NOMES DO ESPÍRITO SANTO

A prova da personalidade do Espírito Santo certamente não inclui a prova de que Ele é Deus. O contrário é verdade, porém, pois se Ele é Deus Ele deve ser também uma pessoa como Deus é. A negação da deidade e da personalidade normalmente vão juntas, embora alguns creiam que Ele é uma pessoa sem ser que Ele é também divino. Mais argumentos da deidade do Espírito Santo são os nomes divinos que lhe são atribuídos.

A essência corpórea do Espírito não é oposta à idéia da transcendência do Espírito, que é contra toda a existência carnal.

O Espírito Divino é mencionado no Antigo Testamento sob diversos nomes, e suas atividades podem ser vistas através da dispensação. Embora designações como “Espírito de Deus”, “meu Espírito”, “seu Espírito”, Espírito Santo”, e outras sejam vistas, a expressão mais comum é “Espírito de Yahweh”, ou “Espírito de YHWH”.

Uma vez que a esfera do AT é a prática, a espiritualidade de Deus no sentido filosófico não pode ser encontrada em suas páginas. A doutrina do Espírito não foi uma idéia central nem mesmo constante na religião hebraica, mas em alguns períodos “o Espírito desempenhou um papel proeminente na vida nacional”.

Knudson Albert C., apresentou três significados distintos da palavra “espiritualidade” aplicada a Deus:

“Ela significa que Deus é um espírito distinto da existência material ou física. Ela significa que Ele é livre da fraqueza da carne, e é um poder sobremundano, superior às forças da natureza. Ela significa também que há um lado interior em sua personalidade, lado racional e ético, e que é aí que Sua natureza essencial é encontrada”.

As limitações da espiritualidade de Deus no AT são devidas à ênfase sobre a personalidade de Iawé, com os resultantes antropomorfismos e a externalidade da adoração.

1. Espírito de Deus.

São muito significativos os nomes e títulos do Espírito Santo, pois esses revelam muito, concernente à obra e natureza. Por exemplo, às vezes, como em 1ª Co 3.16 é chamado “O Espírito de Deus”. Isso significa que Ele mantém uma relação especial para com o Pai tal qual Eliezer, o servo de Abraão que representou seu senhor quando foi buscar a esposa para o filho Isaque (Gn 24). Assim o Espírito Santo está cumprindo a obra de Deus em preparar uma esposa (a igreja Universal) para Cristo durante a dispensação atual.

Este nome retrata o Espírito Santo como alguém que procede da parte de Deus. Ele é enviado pelo Pai e pelo Filho. (Outras ref. At 5.3-4 e 2ª Co 3.17-18).

2. Espírito de Jeová.

“Repousará sobre ele o Espírito do SENHOR, o Espírito de sabedoria e de entendimento, o Espírito de conselho e de fortaleza, o Espírito de conhecimento e de temor do SENHOR” (Is 11.2).

Este nome se refere ao Espírito Santo como Aquele por meio de Quem os profetas falavam.

3. O Espírito do Senhor.

“O Espírito do SENHOR Deus está sobre mim, porque o SENHOR me ungiu para pregar boas-novas aos quebrantados, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a proclamar libertação aos cativos e a pôr em liberdade os algemados” (Is 61.1).

Ele chamado de “Senhor”. O Espírito Santo é identificado como Deus nessas passagens, de modo tal que comprova a Sua Divindade. Em Lc 3.21,22, o Espírito Santo é chamado “Senhor”. O original aqui é Kurios = senhor supremo.

Este título mostra o Espírito Santo como agente por intermédio de Quem é exercida a soberania de Deus.

4. Espírito de Vida.

“Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte” (Rm 8.2).

Esta “lei do espírito de vida” é o poder e a vida do Espírito Santo, reguladores e ativadores operando na vida do crente. O Espírito Santo entra no crente e o liberta do poder do pecado (cf. Rm 7.23). Ele não é apenas o Espírito vivo, mas também, é o Espírito que transmite vida.

Um dos mais sublimes nomes do Espírito Santo é o “Espírito de vida” (Rm 8.2). A vida que Jesus prometeu a Seus seguidores torna-se uma realidade através do Espírito Santo. Seu poder aniquila o poder do pecado e da morte. A cura divina também é efetuada em nossos corpos pelo mesmo Espírito, Rm 8.2; 1ª Co 12. O dia chegará quando Ele ressuscitará os nossos corpos mortais, como ressuscitou o corpo de Jesus.

5. Espírito de Adoção.

Nós, como crentes, regozijamo-nos no fato de sermos herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo, Rm 8.17. De que maneira isso se torna realizado? Pela operação do Espírito que em Rm 8.15 é chamado “Espírito de Adoção”. O testemunho íntimo do Espírito em nossos corações nos faz compreender que de fato somos os filhos de Deus, adotados para sermos participantes da família celestial.

6. Espírito Santo.

“Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto mais o Pai celestial dará o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?” (Lc 11.13). O caráter e essencial do Espírito é salientado neste nome. Ele santo em pessoa e caráter, e também é o autor direto da santidade do homem.

A razão do Espírito Santo ser chamado de santo com mais freqüência que as demais Pessoas da Trindade, não é porque Ele seja mais santo que as outras duas, pois a santidade infinita não admite graus. Ele é assim oficialmente designado porque Sua obra é santificar. Se refere ao Espírito Santo cuja a santificação de crentes é a evidência de Cristo ter sido apontado Filho de Deus em poder e sendo agora exaltado.

O Espírito Santo tem valor inexplicável para o cristão. O caminho da Santidade é trilhado quando permitimos que o Espírito Santo cumpra em nós o Seu ministério. Ele é santo, esta santidade se transmite a quem anda pelo Espírito. Oxalá todos os crentes compreendessem bem que Ele vive em nós, renovando-nos segundo a imagem de Deus, criando em nós o anelo pela santidade, possibilitando uma vida vitoriosa. O segredo da Santidade é uma Pessoa, e esta Pessoa é o Espírito Santo.

7. Espírito da graça.

Em Hb 10.29 faz-se referência ao “Espírito de Graça”. Todo evangelho é um Evangelho de Graça. Deus amou o mundo de tal maneira, que deu Seu Filho sem reservas. O Senhor Jesus oferece Seus dons simplesmente por Graça. “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras para que se glorie” (Ef 2.8,9). De perfeito acordo com o Pai e o Filho, o Espírito Santo apresenta os tesouros celestiais em qualidade de dons gratuitos para o homem, trazendo a este mundo Espírito único do Pai e de Seu Filho e a proposta da Graça. Ele recusa tratar com aqueles que querem negociar Suas bênçãos. Jamais aceitará retribuição por Seu trabalho. Não permitirá jamais que se lhe atribuam méritos em retribuição por Seus dons. A graça é a Lei fundamental do Seu ministério; o Espírito é especialmente o “Espírito de Graça” (Zc 12.10).

8. Espírito de oração.

Em Zacarias 12.10 se faz referência ao Espírito Santo com o nome de Espírito de Oração. Do mesmo modo o apóstolo Paulo diz o seguinte: “E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis”.

E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito, e é Ele que segundo Deus intercede pelos santos, Rm 8.26-27. Em 1ª Co 14.2 diz: “Porque se eu orar em língua estranha, o meu Espírito ora bem, mas meu entendimento fica sem fruto. Que farei, pois? Orarei com espírito, mas também com o entendimento”.

Isso designa particularmente o dom de línguas como o mistério de oração no espírito. O Espírito Santo é tão eficiente e competente em virtude de ser Deus mesmo e conhecer todas as coisas, que está capacitado na forma preeminente para dirigir a vida de oração do crente.

Ao falar por meio dos crentes cheio do Espírito Santo, mediante o dom de línguas, ou inspirando-lhes o entendimento, o Espírito Santo se constitui no poderoso Espírito de Súplica. Como é necessário que os crentes estejam cheios do Espírito de Súplica! Quanto poder-se-ia realizar para o reino de Deus na atualidade se os crentes cheios do Espírito Santo se dedicassem ao ministério da intercessão, permitindo que o Espírito de Súplica ore por meio deles, de acordo com a vontade de Deus?

9. Espírito da Verdade.

Estudaremos agora a revelação divina, no sentido de que o Espírito Santo é o Espírito de verdade - Jo 16.13. Na profecia de Isaías com respeito à vinda do Messias, tal como se registra no capítulo 11.2-3, o Espírito do Senhor se menciona como o “Espírito de sabedoria e de inteligência, Espírito de conselho e de fortaleza, Espírito de conhecimento e de temor a Jeová. E deleitar-se no temor do Senhor”. Temos aqui sete vocábulos referentes ao Espírito de Verdade. Dos sete Espíritos este é o único que se define com sete termos. Quando Cristo informava aos discípulos com respeito à descida do Consolador, que devia ocupar Seu lugar aos discípulos, afirmou que a obra e ministério especial desse Consolador seria de Ensinar-lhes todas as coisas (Jo 14.26; 16.13). Foi Cristo quem lhe deu o título de “Espírito de Verdade”, declarando ainda que “quando o Espírito de verdade viesse testificaria dele” (João 15.26). Uma vez que o Senhor Jesus é a Verdade, (Jo 14.16), é de esperar que o Espírito de Verdade testificará de Cristo, que é a verdade. Pela terceira vez o Senhor denomina o Espírito Santo como o Espírito de Verdade, em Jo 16.13. Declara que “Ele guiará em toda a verdade” e, ainda, “porque há de receber do que é seu e vo-lo há de anunciar”.

10. Espírito de Glória.

O último dos sete espíritos de Deus é o “Espírito de Glória” 1ª Pe 4.14; Rm 8.18. O que sofre vitupérios por causa de Cristo, não somente experimentará o Espírito de Glória em seu ser, senão que a glória que nele reside manifestar-se-á no último tempo. Pelas feridas do corpo e do Espírito, o Espírito de Glória acumula Sua Glória em nossa vida para o dia da redenção. Desta maneira proporciona nossa glorificação e do mesmo modo se glorifica o Senhor. Este foi o Espírito que repousou sobre Estevão, em circunstâncias que seus inimigos rangiam os dentes e se preparavam para matá-lo, At 7.55. Estevão foi glorificado, pois o Senhor se pôs de pé para recebê-lo. Cristo também foi glorificado pela lealdade resoluta e a devoção desse Seu servo.

11. O Consolador.

Cristo mesmo, ao anunciar a descida do Espírito Santo, menciona-o como “Consolador” (Jo 14.16). Em nenhuma outra parte das Escrituras há um título do Espírito Santo, revelando-o tão misericordioso. Os discípulos estavam atribulados. Necessitavam consolo divino. Jesus fez face a esta necessidade, prometendo-lhes o Dom, o qual lhes proporcionaria abundante consolo. O consolo que o Espírito Santo lhes daria não seria uma mera compaixão; de fato, Ele sararia as feridas de seus corações ao comunicar-lhes valor e fortaleza. Todo crente deve permitir que o Espírito Santo realize esse ministério em sua vida, At 9.31.

12. Espírito de Cristo.

A terceira pessoa da Trindade é chamada também o “Espírito de Cristo” (1ª Pe 1.11). Alguns erroneamente têm pensado que havia e há dois Espíritos diferentes. Mas esse não é o caso. O crente não recebe dois Espíritos, mas sim o Espírito Santo que vem em nome de Cristo, que o envia. A obra especial do Espírito é glorificar o Filho de Deus, e por esta razão tem o nome “Espírito de Cristo”.

“Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se, de fato, o Espírito de Deus habita em vós. E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele” (Rm 8.9).

É evidente que o mesmo Espírito significa ambos: Espírito de Deus e Espírito de Cristo.

Todo o crente, desde que o momento que aceita Jesus Cristo como Senhor e Salvador, tem o Espírito Santo habitando nele. “E, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele”. E se não é dele então é de quem?

Esse nome mostra a relação do Espírito com o Messias, o Ungido de Deus. O próprio Espírito é que unge.

13. O Espírito de Seu Filho.

“E, porque vós sois filhos, enviou Deus ao nosso coração o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai!” (Gl 4.6).

O Espírito de Seu Filho produz, no coração do crente, o Espírito filial, dando-lhe a certeza que é um dos filhos de Deus.

Espírito de Cristo ou Espírito Santo de Jesus e o Espírito de Deus, não se referem a espíritos diferentes, mas são nomes dados a Sua personalidade, que mostram a harmonia entre a Trindade Divina.

14. Espírito de Jesus Cristo

“Porque estou certo de que isto mesmo, pela vossa súplica e pela provisão do Espírito de Jesus Cristo, me redundará em libertação” (Fp 1.19).

Comparar com At 2.32-33: “A este Jesus Deus ressuscitou, do que todos nós somos testemunhas. Exaltado, pois, à destra de Deus, tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vedes e ouvis”.

Ver Isaías 11.2 e comparar com Hebreus 1.9). Este nome identifica o Messias divino como o homem Jesus, e mostra a relação que o Espírito Santo sustenta com Ele, conforme aqui indicado.

São dados nomes ao Espírito Santo que revelam Sua relação com o Filho de Deus em Seu estado pré-existente, durante a Sua vida terrena, e após Sua ressurreição.

15. Espírito que sonda.

O Espírito Santo Sonda as profundezas de Deus (1ª Co 2.10-11) Não quer dizer que Ele sonda para saber ou descobrir, como não quer dizer isso também em Rm 8.27; Ap 2.23; Sl 139.1.

Expressa a atividade do Espírito Santo em lançar Sua luz sobre as profundezas de Deus para aqueles em quem Ele habita.

■O Espírito Santo fala (Ap 2.7; At 8.29; Hb 13.7; At 10.19; Jo 16.13; Mt 10.20).

■O Espírito Santo intercede (Rm 8.26; Zc 12.10; Jo 16.7).

■O Espírito Santo ensina (Jo 14.26; 15.25-26; 16.12-14; Mc 9.20; Lc 12.12; 1ª Co 2.13; Gl 4.6; Rm 8.16; 1ª Tm 4.1; 1ª Pe 1.11; 2ª 1.21; Is 11.2-3; Sl143.10).

■O Espírito Santo guia e conduz (Rm 8.14; At 16.6-7; Gl 5.18; Lc 2.27; At 10.19-20).

■O Espírito Santo chama os homens e os comissiona (At 13.2; 20.28; Is 61.1).

■O Espírito Santo convence o mundo (Jo 16.8.11; Gn 6.3).

■O Espírito Santo santifica (separa pessoas para o uso divino) (1ª Pe 1.2; Rm 15.16; 2ª Ts 2.13; At 15.8-9; 1ª Co 16.11).

■O Espírito Santo capacita o crente (At 1.8; cp. Lc 24.49).

■O Espírito Santo consola (Jo 14.16; 16.7; At 9.31).

■O Espírito Santo ouve (Jo 16.13).

■O Espírito Santo ama (Rm 15.30).

■O Espírito Santo pene e castiga (At 5.1-11).

■O Espírito Santo revela (1ª Co 2.10; Ef 3.5; At 20.23).

■O Espírito Santo faz lembrar (Jo 14.26).

■O Espírito Santo convida (AP 22.17).

■O Espírito Santo glorifica a Jesus (Jo 16.14).

■O Espírito Santo inspira (2ª Pe 1.21).

■O Espírito Santo peleja (Is 63.10).

■O Espírito Santo livra ou liberta (Rm 8.2).

■O Espírito Santo controla (Ef 5.18).

■O Espírito Santo fortalece (Ef 3.16).

■O Espírito Santo coloca-nos no corpo de Cristo (1ª Co 12.13).

Aquele que sonda, sabe, fala, testifica, revela, convence, muda, esforça-se (Gn 6.3), move, ajuda, cria, santifica, inspira, faz, intercessão, manda nos afazeres da Igreja, realiza milagres e ressuscita os mortos – não pode ser um mero poder, influência ou atributo de Deus, mas deve ser uma pessoa. (STRONG).


FONTE DE ESTUDOS E PESQUISA

1. BÍBLIA PENTECOSTAL, Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Corrigida, Edição 1995, CPAD, Rio de Janeiro RJ.
2. BÍBLIA SHEDD, Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil – 2ª Edição, Sociedade Bíblica do Brasil, Barueri, SP.
3. BÍBLIA DE ESTUDO PLENITUDE, Traduzida por João Ferreira de Almeida. Revista e Corrigida, 1995, Sociedade Bíblica do Brasil, Barueri, SP.
4. CLAUDIONOR CORRÊA DE ANDRADE, Dicionário Teológico, p. 286, 8ª Edição, Ed. CPAD, Rio de janeiro, RJ.
5. FRANCISCO DA SILVEIRA BUENO, Dicionário Escolar da Língua Portuguesa, 11 ª Edição, FAE, Rio de Janeiro RJ.
6. GILMAR SANTOS. Teologia Sistemática. Faculdade de Teologia de Goiânia.
7. IBADEP, Religiões e seitas, 1ª Edição, 2003, Site, www.ibadep.com
8. ICP, Instituto Cristã de Pesquisa, Série Apologética, Volomes I ao VI, Site, www.icp.com.br
9. JOSÉ ELIAS CROCE, Lições Bíblicas, 1º trimestre 2000, Ed. Betel.
10. Sociedade bíblica do Brasil: Concordância exaustiva do conhecimento bíblico. Sociedade bíblica do Brasil, 2002; 2005.
11. Strong James: Léxico hebraico, Aramaico e grego - Sociedade bíblica do Brasil
12.S.E. Mc NAIR, A Bíblia explicada, 4ª edição, 1985, CPAD, Rio de Janeiro RJ.
13.WAGNER TADEU GABI, Religiões e Seitas, Revista Obreiro, ano 22, nº 11, DPAD, Rio de Janeiro RJ.

Minizinha

Vote Projetos

Crie seu próprio questionário de feedback de usuário - Professor Julio Cesar Martins

Perfumaria e Cosméticos

Perfumaria e Cosméticos
Compre os seus produtos de beleza on-line.

Classificação da Perseguição Religiosa 2017!

Classificação da Perseguição Religiosa 2017!
Classificação dos 50 Países com Perseguição Religiosa, onde seguir à Jesus pode custar a vida. Atualizado em 2017.

Noticias Gospel Mais...

Parceria

O Evangelho de Jesus Cristo, alçando o Mundo!

My Instram